Arquivo para agosto, 2009

Ohio – Neil Young

Posted in Músicas on 29/08/2009 by juliochan68

sfcs7004Em 04 de maio de 1970 um batalhão da Guarda Nacional do Estado de Ohio atirou numa multidão de estudantes que protestava contra a presença americana no Camboja, como parte da Guerra do Vietnã. Dos treze estudantes atingidos no tiroteio, quatro morreram: Jeffrey Miller, Allison Krause, Bill Schroeder e Sandy Scheuer. Eles estavam desarmados e a quase cem metros de distância. A Guarda Nacional nunca emitiu uma nota de retratação para as famílias das vítimas ou alguma indenização foi concedida pela Justiça. Tampouco os soldados foram acusados de algo ou punidos.

O incidente é anualmente lembrado pelos veteranos e estudantes da Universidade. Neil Young compôs “Ohio” sobre o incidente. Segundo relato de David Crosby, seu parceiro de Crosby, Stills, Nash And Young, Young teria escrito a letra da música assim que viu as fotos impressas na Revista Life.

Foi lançada como um compacto, depois de ser gravada em um dia no Record Plant, em Nova York. Em poucos dias a canção era lançada nas rádios, que a boicotaram. Algumas pequenas estações de FM fizeram seu papel de boca-a-boca e divulgaram a música, que se tornou um clássico. Alguns versos merecem destaque, como “four dead in Ohio”, que é repetido ao longo de toda a canção, além de “tin soldiers and Richard Nixon Coming”, que responsabiliza o presidente pelas mortes, de forma bem clara. Crosby ainda disse que dizer o nome de Nixon sem rodeios numa canção foi a atitude mais corajosa que ele já viu alguém ter. A canção aparece ao vivo em Four Way Street, disco ao vivo, que traz registros da turnê que o quarteto empreendeu em 1971.

Anúncios

Jimi Hendrix – Filmore East (Concert) 1970

Posted in Músicas with tags , , on 23/08/2009 by juliochan68

Há coisas que não se questiona no rock: a guitarra de Hendrix. Insuperável.
“Jimi Hendrix Experience” sabia do seu potencial artístico-musical: no lugar certo, na hora certa, no solo, no sol, mortal, imortal. Agudos da “Fender” atravessaram quarenta anos e novas gerações continuam procurando em braços de guitarras milhares de “notas”, pedras de ouro nas partituras do caminho por onde Jimi Hendrix passou.
O disco, abaixo, foi o melhor “ao vivo” que já ouvi do Hendrix.

Jimi Hendrix – 1970 – 01 – 01 – Filmore East (Concert)

Hendrix imagem

Disc 1:
1. Stone Free 2. Them Changes
3. Power Of Soul 4. Message Of Love
5. Earth Blues 6. Machine Gun
Disc 2:
1. Voodoo Child (Slight Return)
2. We Gotta Live Together 3. Wild Thing
4. Hey Joe 5. Purple Haze

WOODSTOCK EXPERIENCE

Posted in Músicas with tags , , , , on 23/08/2009 by juliochan68

Lá fora saiu até uma caixa reunindo os cinco CDs duplos de Jefferson Airplane, Santana, Johnny Winter, Sly And The Family Stone e Janis Joplin. Aqui no Brasil, a Sony editou os CDs separadamente. Cada CD duplo consiste no show realizado em Woodstock , em agosto de 1969, e o álbum de estúdio, referente àquele ano, de cada um dos interpretes. Vale a pena conseguir todos os cinco lançamentos, pois os shows completos são espetaculares, verdadeiros documentos históricos e um dos mais importantes, senão o mais relevante, de todos os festivais de rock.

Rock progressivo nacional

Posted in Músicas with tags , on 22/08/2009 by juliochan68

70_tercoO Terço foi (é), sem dúvidas nenhuma, uma das maiores bandas brasileiras de todos os tempos. A banda formou-se em 1969 com estes integrantes: Sérgio Hinds ( guitarra e vocal ), César de Mercês (baixo ) e Vinícius Cantuária ( bateria ). O primeiro disco foi lançado em 1970, com Jorge Amiden no lugar de César. O álbum era basicamente rock and roll dos anos 60, mas já com influência do rock progressivo.

Em 1973 lançam o álbum Terço, que consolidou o estilo do grupo. Firmando-se como a grande banda do estilo no país. Porém, foi em 1975 que eles lançaram o melhor disco de rock progressivo brasileiro: Criaturas da noite. Na época O Terço contava com sua melhor formação: Sério Hinds, Moreno ( bateria ), Magrão ( baixo ) e Flávio Venturini ( teclados, viola e vocal ). O álbum vendeu mais de meio milhão de cópias e foi o de maior sucesso da carreira do grupo. “1974”, tirada de “Criaturas da noite” pode ser considerada a maior música progressiva nacional e já foi até adaptada para uma peça de teatro nos EUA. Em 1976 é lançado mais um bom álbum com esta mesma formação: “Casa encantada”. Desta vez o grupo investiu mais em uma mistura de elementos brasileiros com o rock.

Após o disco de 76, Venturini deixa a banda para formar o 14 Bis. Com Magrão, Sérgio Hinds, Cezar de Mercês, Sérgio Caffa e Moreno, lançam em 1978 o disco 78 “Mudança de tempo”.

Uma outra formação, com Sérgio Hinds, Zé Portugal (baixo), Franklin Paolillo (bateria) e Ruriá Duprat (teclados) lançaria apenas em 1983 o “Som Mais Puro”.

Ficam então um bom tempo sem lançar nada até assinarem contrato com a gravadora Record Runner, lançando o cd “Time Travellers”, em 1993. O álbum é muito bom, com o grupo voltando às suas raízes. A formação era a seguinte: Sérgio Hinds (vocal, guitarra), Luíz de Bomi (teclados), Andrei Ivanovic (baixo) e Franklin Paollilo (bateria). No ano seguinte lançam um cd gravado ao vivo com orquestra sinfônica.

Em 1996 O Terço lançou um CD intitulado “compositores” pela gravadora Velas. A formação era basicamente a mesma do álbum anterior e o disco foi composto por clássicos da música popular brasileira como “Sangue Latino” dos Secos e Molhados.

O último álbum de estúdio e com canções inéditas do Terço chama-se “Spiral Words” e foi lançado em 1998. O som é progressivo com pitadas de pop/rock; o CD inclui ainda duas releituras: “1974” e “Crucis” ( de “Time travellers” ). A formação é a seguinte: Sérgio Hinds

( guitarra e back vocal ), Edu Araújo (guitarra e vocal ), Max Robert ( baixo ), Beto Côrrea

( teclados ) e Daniel Baeder ( bateria ).

Em 1999, André Gonzales assume o posto de Daniel Baeder na bateria e a banda lança o disco “Tributo a Raul Seixas”, uma homenagem aos dez anos de morte do grande roqueiro. O CD está indo muito bem e já é o título mais vendido da sua gravadora ( Movieplay ). Recentemente, Edu Araújo deixou a banda e em seu lugar foi recrutado Igor de Bruyn, que também integra o quarteto de cordas Kroma.

Jimi Hendrix é eleito melhor guitarrista da história pela “Time”

Posted in Músicas with tags , on 22/08/2009 by juliochan68

Jimi Hendrix foi eleito o melhor guitarrista da história pela revista “Time”. A revista elaborou uma lista na qual inclui ainda Slash, B.B. King, Keith Richards, Eric Clapton e Les Paul, que morreu em no último dia 13.

“Nunca ninguém combinou com uma guitarra o blues, o rock e a ‘psicodelia’ com tanta facilidade e carisma” como Hendrix, diz o crítico musical da “Time”, Josh Tyrangiel, encarregado de elaborar a lista sobre os mestres da guitarra.

Segundo Tyrangiel, o lendário Hendrix se impõe a artistas de todas as épocas e gêneros. Já Slash, o ex-guitarrista do Guns’n’Roses, ficou com o segundo lugar, graças à sua “precisão” com as seis cordas e a sua paciência com Axl Rose, vocalista da banda.

O terceiro lugar da lista de dez ficou com a lenda do blues B.B. King e sua guitarra “Lucille”.

O guitarrista dos Rolling Stones Keith Richards vem logo em seguida, antes de Eric Clapton.

Jimmy Page, ex-membro do grupo Led Zeppelin ficou em quinto, seguido por Chuck Berry, Les Paul, Yngwie Malmsteen e Prince, fechando o top 10 de ilustres guitarristas.

09226424 Jimi Hendrix foi eleito o melhor guitarrista da história pela revista “Time”

Morte de Raul Seixas completa 20 anos

Posted in Músicas with tags on 21/08/2009 by juliochan68

1263624-5935-cpO início foi em Salvador. O jovem baiano Raul Santos Seixas, conhecido como Raulzito, fazia um som que misturava as influências do rock and roll de Elvis Presley, seu ídolo, com a batida regional de Luiz Gonzaga, o rei do baião. Em 1967, aos 22 anos, Raulzito gravava seu primeiro disco com a banda The Panthers, mas o reconhecimento nacional só viria mesmo com o lançamento do compacto “Ouro de Tolo” (Eu devia estar contente/ porque eu tenho um emprego/ sou um dito cidadão respeitável…) em 1973. O meio dessa história todo mundo conhece. foram mais de 20 anos de carreira e mais de 200 músicas gravadas em 18 discos – isso sem contar as coletâneas e relançamentos.

No dia 21 de agosto de 1989, aos 45, Raul Seixas morria em seu apartamento em São Paulo, vítima de parada cardíaca causada por uma pancreatite. Seria o fim? Parece que não. Passados 20 anos de sua morte, fãs e admiradores não deixam esta história cair no esquecimento. Prova disso é a produção de um documentário, uma biografia e um pacote de lançamentos em CD e DVD que o homenageiam este ano. A comunidade do artista no Orkut conta com mais de 113 mil adeptos, as rádios não deixaram de tocar sucessos como “Mosca na sopa”, “Gita” e “Tente outra vez”, e é fácil ouvir o grito “Toca Raul!” nas plateias.

Em maio passado, por exemplo, a 5ª edição da Virada Cultural de São Paulo teve um palco dedicado exclusivamente a Raul Seixas. Dezenove bandas se apresentaram durante 24 horas no Palco Toca Raul com músicas do seu repertório. “Essas apresentações foram gravadas e existe a possibilidade de lançar esse material em DVD e CD”, revela Sylvio Passos, presidente do fã-clube Raul Rock Club (www.raulrockclub.com.br). “Além disso, estamos negociando com a gravadora Eldorado o lançamento de dois discos só com material inédito“, completa.

O fã-clube fundado por Sylvio Passos em 28 de junho de 1981, data de aniversário de Raul, era considerado pelo próprio ídolo como seu fã-clube oficial. “Um dia Raul me disse: ‘Toma meu baú inteiro, leva para você. Estou te passando a minha vida’”, conta Passos, que herdou o famoso Baú do Raul. Esse material está guardado na garagem de sua casa, mas Passos sonha em montar um memorial para que todos tenham acesso ao acervo. “faço exposições itinerantes em várias cidades do Brasil, mas quero montar uma espécie de memorial ou centro de estudos para que as pessoas conheçam e estudem a vida e a obra dele”.

O próprio Raul tinha a preocupação de que sua história não fosse esquecida. Tudo que fazia era registrado em cadernos, como um diário, além de guardar objetos, roupas e fitas com suas gravações. Boa parte dessas recordações fará parte do documentário “O início, o fim e o meio”, que será lançado ainda este ano em circuito nacional. “Vamos aproveitar o ano de morte para fazer essa homenagem“, afirma Denis feijão, produtor executivo do filme. O longa-metragem contará com muitas imagens de arquivo, entrevistas e material inédito da carreira de Raul. A direção do documentário é de walter Carvalho e Evaldo Mocarzel.

Outra homenagem pelos 20 anos de morte de Raul é o lançamento de uma biografia. Apesar de existirem mais de 30 livros publicados com registros da vida e da obra de Raul Seixas, essa publicação promete se destacar pela imparcialidade de uma pesquisa que vem sendo feita há quase cinco anos. “Na verdade, ainda não existe uma biografia do Raul, o que existem são muitos livros sobre aspectos da vida dele”, sentencia o jornalista Edmundo Leite, autor da biografia em produção. O escritor prefere não falar muito sobre o conteúdo da biografia, mas garante que o lançamento vai acontecer ainda este ano. Não vão faltar histórias para contar a vida de quem cantava “eu nasci há 10 mil anos atrás”.

Documentário proibído dos Stones cai na internet

Posted in Músicas with tags , , on 20/08/2009 by juliochan68

Cocksucker_200809Em 1972, o Rolling Stones encomendou a Robert Frank um documentário sobre a turnê da banda pela América do Norte. O resultado foi “Cocksucker Blues”,um filme que mostra a realidade dos shows do grupo: muitas drogas, loucura e mulheres nuas. Após assistir ao documentário, a banda proibiu seu lançamento. Segundo o site “Flavor Wire”, a justificativa de Keith Richards é o moralismo dos fãs. “Se alguém na América assistir isso, nós nunca poderemos entrar no país de novo”, teria dito o músico.

Por causa de toda a polêmica, uma ordem judicial proibiu a exibição do filme sem que o diretor estivesse presente à sessão. Por conta disso, pouquíssimas pessoas puderam assisti-lo. Agora, o longa caiu na internet e pode ser visto no site Wat. Entre as cenas, uma das mais polêmicas é a que mostra Mick Jagger cheirando cocaína no meio de várias pessoas nuas.

Independente das drogas Stones é para mim a maior e melhor banda de Rock, por isso até agora não postei nada Stones merece destaque como colocar comentário de um disco só, não dá preciso de tempo para organizar um bom material. Mais postarei futuramente algo sobre a banda. It’s Only Rock ‘n’ Roll”.

stones-logo-forblog2